sábado, 5 de fevereiro de 2011

O DIRIGENTE NO TRABALHO ESPÍRITA


Francisco Rebouças

É, bastante comum no nosso movimento, encontrarmos à frente de algumas instituições espíritas, dirigentes absolutamente despreparados para exercerem tão sagrada função que requer antes de qualquer coisa, preparo adequado que só se obtém através de um estudo aprofundado da doutrina espírita, utilizando-se da codificação elaborada por Allan Kardec através dos ensinamentos dos Espíritos Superiores sob a orientação maior de Jesus.

Não mais se justifica em nossos dias, escolher para desempenhar tão sublime missão, alguém sem as necessárias características para a função, simplesmente por ser nosso amigo particular, nosso parente, por ser bonito, bem sucedido na vida material, por ser falante, por ter prestígio, etc. etc., é necessário antes de qualquer indicação nossa, uma reflexão sobre os efeitos que nossa escolha irresponsável poderá produzir de maléfico à causa maior que professamos e à casa que freqüentamos.

Embora as atividades executadas na seara espírita, sejam realizadas em sua grande maioria pelo trabalho voluntário, onde todos indistintamente, sentem-se chamados a prestar colaboração nos serviços de caridade, oferecidas pelas casas espíritas é indispensável que o dirigente procure capacitar o trabalhador antes de encaixá-lo num trabalho, procurando alertá-lo para as responsabilidades que está assumindo, para que esse trabalhador não mais proceda como tantos outros, que mais se assemelham a "turistas"; que agem sem regularidade ou assiduidade, que aparecem para trabalhar quando querem, como se estivessem fazendo um favor ao vir dar uma "mãozinha" no dia em que acham conveniente fazê-lo.

A Doutrina Espírita nos reformulou esses conceitos equivocados, quando nos incita a uma participação responsável, a uma conduta operante e a uma assiduidade que tornará a tarefa passível de ser realizada com êxito, e que pede acima de tudo que sejamos participativos, executando com prazer as nossas tarefas no auxílio ao necessitado de hoje.

Ser espírita, é também ter responsabilidade, pessoal, familiar, social, ser honesto nos propósitos de melhoria interior, procurando tirar proveito de mais esta oportunidade que a misericórdia divina nos está concedendo, de estudar, trabalhar e assumir tarefas, observando o fim útil de laborarmos com empenho no mundo material visando o nosso retorno à pátria espiritual em melhores condições íntimas do que quando aqui chegamos.

Outrora se acreditou que bastava a boa-vontade nos serviços a serem realizados aos desvalidos da sorte, que se encontram em situação de penúria moral ou física que tudo estaria resolvido. Embora seja a boa vontade, muitas vezes a alavanca que nos impulsiona ao encontro do outro, representando a nossa disposição em servir, para que a semeadura seja proveitosa e a colheita farta, é preciso que o trabalho de esclarecimento seja sedimentado na qualificação e conhecimento doutrinário.

O trabalhador da Seara Espírita precisa entender que sua participação nas atividades da Casa Espírita que freqüenta, não será uma realização apenas em proveito do outro, mas e principalmente em seu próprio benefício. É a grande oportunidade de começar o aprendizado de humildade, doação, permuta de experiências,renúncia e qualificação mútua.

Os problemas que aparecem, os atritos que surgem dentro das tarefas que participa, são os espinhos que ele deve aprender a transpor de maneira inteligente. Preciso é que esteja sempre disposto a reciclar seus conhecimentos, não se achando eternamente sabedor de tudo, entendendo que na vida tudo progride e que o trabalhador de qualquer atividade espírita ou não deve acompanhar a evolução da ciência em franco processo de desenvolvimento.

Precisa, também, entender que as atividades das quais toma parte, não são exclusividade sua e que por isso mesmo deve compartilhar suas idéias, seus conhecimentos, com seu semelhante, procurando uma convivência pacífica e harmoniosa com seus irmãos de ideal, contribuindo desse modo para um melhor desenvolvimento do trabalho, visando exclusivamente o êxito a que se destina, ou seja, o atendimento ao carente daquela atividade seja ela qual for, de cunho material ou espiritual.

Sua participação equilibrada na convivência com os outros que têm o mesmo objetivo, evitarão as lutas pelo poder dentro dessas atividades fortalecendo o ambiente vibratório do grupo, oferecendo oportunidade, para que todos participem de maneira proveitosa e responsável da estrutura organizacional da Instituição que freqüenta, entendendo que também precisa ser um afiado instrumento nas mãos dos abnegados trabalhadores da espiritualidade superior, alistando-se definitivamente como mais um soldado ativo no batalhão do exército do bem. Nesse aspecto, o estudo, a reflexão, a prece e o comprometimento com a atividade do Cristo tornam-se indispensáveis, para que o tarefeiro execute suas atividades desde as mais simples, até as mais complicadas e específicas, com esmero, competência e alegria.

O dirigente da casa espírita, é sempre visto como aquele que tem a responsabilidade maior e que por isso tem que assumir todas as falhas e se desdobrar para cobrir a irresponsabilidade dos outros dirigentes das tarefas da instituição, pois é ele o dirigente maior da casa e tem o dever de estar atento aos possíveis desajustes que venham a ocorrer em qualquer atividade ou tarefa sejam no âmbito administrativo ou religioso.

Deve proceder também no trabalho de conscientização dos demais trabalhadores para suas responsabilidades, e para isto tem ele que ter moral elevada, sedimentada no conhecimento da doutrina, elevado padrão moral, conduta exemplar, presença constante nos trabalhos desenvolvidos pela instituição, empenho na resolução dos problemas que lhe são apresentados, tornando-se exemplo para os demais tarefeiros da casa em que é o principal responsável, para não servir de chacota por não ter o devido preparo que dele se exige.

O posto de dirigente, não pode ser ocupado por quem não tenha a necessária estrutura que o cargo requisita, em termos de responsabilidade e competência, já não podem ser tolerados os despreparos de dirigentes e coordenadores que envergam sobre si a responsabilidade de presidir, conduzir, decidir rumos e encontrarem soluções para os desafios da missão.

Vivemos a repetir que a Seara é grande e os trabalhadores são poucos, que diminuto número de tarefeiros executam tarefas de muitos, só que a própria direção das casas espíritas na sua grande maioria não se preocupa em treinar pessoas para enviar aos departamentos que precisam não somente de tarefeiros, mais sim de trbalhadores preparados, falamos até mesmo no preparo daqueles que exercem a direção das tarefas e que se julgam donos absolutos das mesmas, abraçam tudo para si, sem estender oportunidades a quem quer que seja, dificultando a ação dos demais, não admitindo concorrentes, sem que o dirigente maior da casa, tome qualquer providência para sanar esse inconveniente, que tanto prejuízo causa ao bom desenvolvimento dos trabalhos.

E porque isso ainda acontece em nosso movimento Espírita?, exatamente pela falta de dirigentes qualificados, que por não possuírem acurado conhecimento da doutrina, não são capazes de dividir adequadamente as tarefas de acordo com a aptidão demonstrada por cada indivíduo para esse mister; por não investi-lo de responsabilidade em tudo que for fazer para que se empenhe na realização das tarefas com amor e alegria; por não alertarem ao indivíduo que a tarefa não é exclusividade de ninguém; por não prepararem com carinho e atenção os futuros dirigentes da casa das quais são hoje os maiores responsáveis; por não entenderem que ninguém é eterno e que serão responsabilizados na espiritualidade pelos futuros fracassos das casas que dirigem, em virtude de sua negligência no preparo de seus sucessores; em fim, por não serem portadores da devida competência para tomarem todas as necessárias precauções na busca de uma salutar convivência de todos os tarefeiros visando o crescimento e o sucesso das atividades, construindo dessa forma um futuro seguro e promissor para a instituição.

Por isso, meus queridos irmãos e amigos, na escolha dos nossos dirigentes é, preciso que tenhamos o devido cuidado de escolher com responsabilidade os companheiros de lide espírita para o exercício de comando das nossas instituições espíritas, para que não nos tornemos indiretamente responsáveis pelo mau desempenho das atividades em nossas casas religiosas, e também não venhamos a nos arrepender tardiamente, de uma escolha impensada irrefletida, irresponsável, pois a tarefa espírita cristã não comporta improvisos, o dirigente limitado, despreparado, será o primeiro entrave de que a instituição terá que se livrar.

O crescimento do espiritismo no mundo, está na dependência do que fizermos com ele, se o utilizarmos adequadamente, como nos ensinaram os imortais da vida maior, por certo mais cedo estaremos recebendo os benefícios de sua implantação no coração do nosso semelhante, ajudando desta maneira na transformação moral do nosso planeta para que ele possa galgar o próximo degrau na escada do progresso alcançando o patamar de planeta de regeneração, a que todos nós tanto almejamos.


texto - http://terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/artigo994.html
imagem - oconsolador.com.br

9 comentários:

Fabio Fraga disse...

Bom dia eu achei seu blog muito interessante e os textos são super legais, se possível me siga também e visite meu blog,abraços...

http://lamoremiopersempre.blogspot.com/

Marlene disse...

Amigo Jorge,,que beleza,de postagen voce tem toda a razão para dirijir um trabalho,espiritual doutrinario,não basta somente gostar,de dirijir
e preciso conhecimento,preparo e disponibilidade
e acredito pelo que tenho conseguido acompanhar de seu trabalho,voce tem todas estas belas qualidades
Deus te abençoe sempre mais,,,
Marlene

Jeanne disse...

Sempre penso nesta questão do dirigente espirita, que de forma resumida,é o chefe do trabalhador da casa. acho que o dirigente além de conhecedor profundo da doutrina e ter espirito mais elevado, deve ser um administrador de pessoas, um pouco político.
Os "melhores", mais capacitados e carismáticos, penso eu, devem ficar com o atendimento ao publico externo, enquanto que o dirigente seria um "burocrata". Posso estar errada, mas vejo que quando um trabalhador está se destacando pelos serviços no bem, logo é convidado a ser dirigente de algum setor, e acaba por afastar-se do trabalho por divergencias naturais da convivencia. Já vi muito acontecer isto na prática.
beijos

Analice disse...

ola.

infelizmente nos deparamos ainda com alguns problemas que necessitam ser esclarecidos...

é o que sempre combati... exemplo, nao se pode defender algo apenas como o slogan de que é bonitinho.

e o que me faz cada vez mais ser crente do espiritismo é isso. estudar é fundamental... trabalhar com disciplina...

Jorge Nectan disse...

Só de ser Espírita, a responsabilidade é grande. Pois tem a teoria e o dever de colocar em prática se torna uma necessidade pois a quem muito sabe muito será cobrado. E nós sabemos que a cobrança vem da nossa própria consciência.
Imaginem, então a responsabilidade de um Dirigente Espírita?
E o que mais pega ao Espírita é justamente o orgulho pois se sabe que sentimentos negativos tendem a fazer dos trabalhos, um campo de divergências o que pode levar à ruina, todo um trabalho que muita vez, é realizado pela espiritualidade.
Cada um é um instrumento, que por sua vez, é afinado de acordo com sua evolução mas que pode se tornar um "stradivarius" pela própria boa vontade.

Um beijo!

karolyne disse...

Bom dia muito importante a abordagem desse assunto e o texto é fabuloso. A divulgação e os ensinamentos da doutrina é muito importante ser passado e para isso temos que estar preparados, uma maneira de aprendermos é através dos livros há um site muito legal com vários livros e com ótimos preços que é o da Vitrine Espírita. Tenham uma semana com muita luz e parabéns pelo blog

Jorge Nectan disse...

Fui fazer uma visita no site Vitrine Espírita e achei bem legal mesmo. Mais uma bela opção de compra.
Obrigado, Karolyne!

Jorge Nectan disse...

MArlene,
longe estou de ser um bom voluntário.
Ainda estou aprendendo, mas apenas colocando a minha boa vontade nos trabalhos. Para ser dirigente requer muito mais e eu, sinceramente, não tenho o preparo para tanto.

Um beijo, Coração!

Vanda Figueira disse...

Jorge,
andando um pouco cheguei aqui. Estou maravilhada com tudo.Parabéns! Olhe! vou voltar! Vanda

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails