sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

PANTEISMO ESPÍRITA


Com a permissão do dalailam, do blog http://tamoporai.blogspot.com

Uma das acusações constantemente formuladas ao Espiritismo pelos religiosos, e particularmente pelos teólogos, é a de panteísmo. Segundo afirmam, de modo geral, o Espiritismo seria uma concepção materialista do mundo, por confundir o Criador com a Criação. Já vimos que essa acusação é infundada. Ao tratar da Filosofia Espírita, verificamos que a cosmologia e a cosmogonia doutrinárias não permitem essa confusão. Anteriormente verificamos que o próprio Kardec, dedicou um capítulo ao problema em O Livro dos Espíritos, esclarecendo a posição do Espiritismo. Não obstante, convém analisarmos alguns aspectos da questão, para melhor definirmos o nosso pensamento a respeito.
Segundo a etimologia, e de acordo com o emprego tradicional do termo, panteísmo é uma concepção monista do mundo que pode ser traduzida na expressão: tudo é Deus. Espinosa foi o sistematizador filosófico dessa concepção. Deus é a realidade única, da qual todas as coisas não são mais do que emanações. Mas existe o chamado panteísmo materialista, não obstante a contradição dos termos. Segundo a concepção de D'Holbach, por exemplo, a realidade primária é o Mundo, e Deus é a suma do Mundo, ou seja, o resultado do conjunto de leis universais. Com razão se diz que não se trata propriamente de panteísmo, apesar do emprego tradicional da classificação. Essas duas formas de panteísmo são rejeitadas pelo Espiritismo.
Kardec argumenta, no comentário ao item 16 de O Livro dos Espíritos, que não sabemos tudo o que Deus é, mas sabemos o que ele não pode ser". Forma precisa de definir a posição espírita. Deus não pode ser confundido com o mundo, da mesma maneira por que um artista não pode ser confundido com suas obras. Assim como as obras exprimem a inteligência e a intenção pessoal do artista, nas várias direções seguidas pela sua inspiração, as obras de Deus o revelam ao nosso entendimento, mas não podemos confundi-las com seu Autor. O Espiritismo, portanto, não pode ser considerado como nenhuma forma de panteísmo, no sentido absoluto que se dá ao termo.
Apesar disso, podemos dizer que existe uma forma de panteísmo-espírita, se entendermos a palavra em sentido relativo. Essa forma, porém, não é privativa do Espiritismo. Aparece em todas as concepções religiosas, pois todas as religiões consideram universal a presença de Deus que se manifesta na natureza inteira e "está em todas as coisas". É conhecida a afirmação do apóstolo Paulo, de que vivemos em Deus e nele nos movemos. Essa fórmula encontra correspondência no pensamento grego e no pensamento romano: o racionalismo dos primeiros e o juridismo dos segundos constituem sistemas de leis universais, presididos por uma inteligência suprema. Quanto ao judaísmo, o providencialismo bíblico é uma forma ainda mais efetiva de panteísmo conceptual. Mas fora do âmbito da tradiição ocidental vamos encontrar a mesma concepção, tanto nas religiões indianas, quanto na própria religião filosófica ou civil do confucionismo, bem como entre os egípcios, os mesopotâmicos e os persas.
A presença universal de Deus é uma forma relativa de panteísmo, que nos mostra o Universo em relação estreita com Deus, a Criação ligada ao Criador. Mesmo no panteísmo espinosiano, é necessário compreendermos o panteísmo de maneira mais conceptual do que real, ou seja, num plano antes teórico do que prático. Porque Espinosa fazia a distinção entre o que chamava "natureza naturata", ou material, e "natureza naturans", ou inteligente. Deus, para ele, era está última, o que pode ser entendido, do ponto de vista espírita, como uma confusão entre o princípio-inteligente e Deus. Ou seja, Espinosa confundiu a Segunda hipóstase do universo, o Espírito, com a primeira, que é Deus. O Espiritismo não faz essa confusão, admitindo apenas a imanência de Deus no Universo, como conseqüência de sua própria transcendência.
Não é fácil compreendermos esse processo, sem uma definição dos termos. Mas quando procuramos examiná-los, tudo se torna mais claro. Imanente é aquilo que está compreendido na própria natureza, como elemento intrínseco, pertencente a sua constituição e determinante do seu destino. Dessa maneira, o panteísmo tem sido considerado uma teoria de imanência de Deus. Não obstante, a própria teologia católica considera as aspirações religiosas do homem como decorrência da imanência de Deus na alma. E o Cristianismo evangélico estabelece o princípio da imanência de Deus em nós mesmos. Como poderíamos entender, assim, a imanência daquilo que é transcendente, que está acima e além do mundo dos homens?
Este problema tem provocado grande celeuma no campo teológico, mas a posição espírita é de tal maneira clara, que a podemos compreender sem maiores dificuldades. Kardec a colocou em termos de causa e efeito: não há efeito inteligente sem uma causa inteligente. Ora, se deus é a inteligência suprema e causa primária de todas as coisas, a transcendência de Deus é a própria causa da sua imanência. Ou seja: Deus, como criador, está presente na Criação, através de suas leis, que representam ao mesmo tempo a ligação de todas as coisas ao seu poder e a possibilidade de elevação de todas as coisas à sua perfeição. A lei de evolução explica a imanência, como conseqüência lógica e necessária da transcendência. As disputas teológicas decorrem mais do formalismo em que o problema é colocado, do que das dificuldades lógicas ou filosóficas existente no mesmo.
O panteísmo-espírita não seria mais, portanto, do que a consideração da presença de Deus em todas as coisas, através de suas leis, e particularmente na consciência humana. No item 626 de O Livro dos Espíritos vemos a afirmação de que as leis divinas "estão escriitas por toda parte". Esse o motivo por que: "todos os homens que meditaram sobre a sabedoria puderam compreendê-las e ensiná-las". Reafirma ainda esse item: "Estando as leis divinas escritas no livro da natureza, o homem pôde conhecê-las sempre que desejou procurá-las. Eis porque os seus princípios foram proclamados em todos os tempos, pelos homens de bem, e também porque encontramos os seus elementos na doutrina moral de todos os povos saídos da barbárie, mas incompletos, ou alterados pela ignorância e a superstição". O relativismo panteísta está bem claro nesta proposição.
A presença de Deus, e portanto a sua imanência, não se restringe à consciência humana, mas estende-se a toda a natureza. Todas as religiões admitem esse princípio, de uma ou de outra forma, principalmente quando pretendem oferecer as provas da existência de Deus. O Espiritismo o esclarece, de maneira simples e precisa, retirando-o da névoa das discussões teológicas e colocando-o sob a luz dos princípios lógicos. Ainda neste terreno controvertido, como vemos, o Espiritismo se apresenta com todo o seu poder de esclarecimento.

J. Herculano Pires

endereço: http://tamoporai.blogspot.com/2009/10/panteismo-espirita.html imagem: autopoeta.wordpress.com

9 comentários:

Jeanne disse...

A definição de Deus mais bonita que conheço é a que falo na evangelização: - Estamos imersos em Deus, como os peixes no oceano.
Mas isto não significa que tudo é Deus, apenas que ele está em tudo e em todos, como uma energia suprema, inteligente e amorosa.
Beijos

Julimar Murat disse...

No Panteísmo,Deus é todo o Universo. O seu templo é qualquer lugar e sua lei é a das Ciências Naturais, a lei natural.
Muito bom este texto nos esclarecendo o pensamento desses filósofos e o caminhar da consciencia humana em relação ao Ser Supremo.

Um grande abraço e muita luz
Julimar

Norma Villares disse...

Pura Beleza!
Muito bonito esse texto, com a permissão do dono do blog, rsrsrsrsr.
Como sempre vou levar esse texto, estamos sempre trocando textos, rsrsrs.
Participei de um grupo panteista, e a visão deles é contrária a esta.
Essa visão da Doutrina Espírita é mais ampla.
Bom partilhar.
Grande iluminação para sua vida, e que Deus te abençoe!
Sublimes abraços.

Uman disse...

Jeanne,
André Luiz diz que estamos mergulhados ho hálito divino. Nem por isso podemos dizer que Deus é o hálito.

Um super beijo, Anjo!!!

Beijo!
Jorge

Uman disse...

Juli, amiga eterna,

Nõa podemos confundir como diz o Herculano, o Criador com a criação.
Se não, podemos nos considerar parte de Deus, o que é um absurdo, não é mesmo?

ANjo, um beijo, de coração,
Jorge

Uman disse...

Norma,
fico feliz em compartilharmos os posts.
Gosto do Espiritismo porque ela me dá consistência na compreensão da vida, em todos os setores. Naqueles que ainda há diferenças, aguardo, buscando estudar com bom senso, grande exemplo que Kardec nos legou à nossa vida!

Um beijo, Anjo Luz,
Jorge

juliao disse...

Uma perguta. A 'lei' dos espíritas é a evolução, mas se evolui até quando? Se a tendência é a sutilieza dos corpos energéticos, talvez em um determinado grau de evolução, eles não sejam mais precisos, e então restará alpenas a 'centelha divina', e então, o que acontecerá?
Grata.

Uman disse...

Juliao,

A evolução, podemos a considerar até se atingir a perfeição.
Daí para frente, nada sabemos.
Pois o objetivo do Espirito, é caminhar para o Pai, através da evolução, que só pode acontecer com a reencarnação.

Obrigado pela sua visita!!!

Abraços,
Jorge

Wagner Wagen disse...

Bem, eu formulei umas 4 teorias sobre o que seria o universo e o que seria deus. Queria que comentassem depois o que pensam sobre o que escrevi.

1- Deus teria criado universo e tudo que existe nele já foi pré-determinado, quebrando com o conceito de livre arbítrio, sendo tudo que existe e suas consequências são meros anseios da vontade divina.

2- Deus teria a principio criado um molde das coisas que viriam por existir, e com o tempo moldou “à sua vontade” o universo (pode-se também atribuir certa inteligência e independência ao universo como o próprio sendo autossuficiente). Nesta teoria deus é apenas o principio inteligente.

3- Deus é o próprio universo, logo esse universo é o único capaz de existir, quebrando com o paradigma de que há possibilidade de outros universos paralelos.

4- Todos os universos são a expansão da consciência de deus, sendo assim, existem vários universos, como uma cebola, onde cada esfera se aproxima da divindade.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails