segunda-feira, 14 de setembro de 2009

EMBRIÕES CONGELADOS - CÉLULAS-TRONCO


Considerações gerais

(Texto extraído do livro "Genética... Além da Biologia", Eurípedes Kühl, Editora Fonte Viva – BH/MG, 2004)

Questão 67. Se o embrião for congelado, qual a situação do Espírito ligado a ele?

— Essa questão é, talvez, a de maior alcance e interesse da genômica.

As considerações sobre os embriões congelados trilham sobre o fio da navalha de algo tão transcendental, já largamente sendo experimentado pelos geneticistas e embriologistas: manipulação, aproveitamento, armazenamento, descarte...

O embrião manipulado em laboratório, poderá ter duas destinações: uma, para fertilização assistida, caso em que a ligação do Espírito ocorrerá da mesma forma como se dá ao natural; outra, para produção de células-tronco, para fins terapêuticos, sendo de supor que não haverá Espírito ligado a ele. Só suposição, pois certeza, só o Plano Maior tem...

- Embriões congelados

Na fertilização assistida, vários embriões são manipulados, dos quais, normalmente, quatro são implantados no útero e os demais, mantidos congelados, para eventual repetência da fertilização, caso não prospere a tentativa anterior (tem sido um problema ético mundial o descarte dos embriões congelados que já não mais interessam ao casal).

Mas também estão sendo manipulados embriões, para pesquisas, os quais permanecem congelados. Também há congelamento de células germinativas (gametas):óvulos e espermatozóides.

Vemos assim, que os embriões podem ter duas finalidades: uma reprodutiva, outra para pesquisas laboratoriais.

O nó górdio da questão é saber em qual embrião, seja para uma ou para outra destinação, há ou não Espírito a ele ligado, posto que em "A Gênese", cap. XI, item n° 18, consta que na fecundação ocorre uma expansão do perispírito daquele que irá reencarnar, atraindo-o, irresistivelmente e à medida que o feto se desenvolve, esse laço espiritual se encurta. Repetindo o que já enfatizamos, homem algum do mundo tem conhecimento se no embrião há ou não um Espírito a ele ligado.

Se um embrião ao qual está ligado um Espírito for conduzido ao congelamento — seja para pesquisa ou para futura reencarnação — e assim permanecer por longo tempo, em demorado estágio, podemos aventar algumas hipóteses espirituais que justifiquem tal condição, certamente muito desconfortável, para não dizermos sofredora:

Na hipótese formulada pela pergunta acima, a de que há embriões congelados com ligação espiritual efetuada, imaginamos que podem ocorrer as seguintes situações:

a. ali está um Espírito que se ofereceu, voluntariamente, para participar do progresso da ciência terrena, por ser dela devedor, em vidas passadas; o período do congelamento (prisional), qual casulo impenetrável, o obrigará ao mutismo e às reflexões de ajustamento futuro; isso lhe é benéfico!

b. ali está um Espírito "semimorto", transferido de um tormentoso e prolongado sono na Espiritualidade (povoado de maus sonhos), em vias de condicionar-se a futura reencarnação, pois talvez ali o sono lhe seja mais tranqüilo e recuperador!

OBS: O autor espiritual André Luiz, no cap. 27 do livro "Nosso Lar", refere-se a Espíritos adormecidos há longo tempo em uma câmara da Colônia Espiritual (do mesmo nome da obra), sofrendo pesadelos sinistros. Inferimos que a transferência de alguns desses Espíritos para tais embriões poderá representar um primeiro passo para futura reencarnação, vez que permaneceriam no sono que antecede à reencarnação (questões n°s 345 e 351 de "O Livro dos Espíritos"), ao tempo que estariam auxiliando o progresso da ciência terrena, captando tal crédito;

c. ali está um Espírito que durante sua(s) existência(s) terrena(s) amealhou inúmeros inimigos, por causa do seu grande poder e procedimento cruel, que pode até ter causado milhares de vítimas, as quais, agora no Plano Espiritual, perseguem-no obstinadamente, com propósitos vingativos; se esse Espírito for alocado num embrião congelado isso lhe proporcionará abrigo (esconderijo) indevassável, constituindo isso defesa contra tantos vingadores. Simultaneamente, receberá tratamento espiritual a cargo de enfermeiros espirituais, podendo arrepender-se e iniciar processo de reconstrução moral. Quanto mais tempo ali permanecer, maior a chance dos perseguidores evoluírem e abandonarem a idéia de vingança, ou, no mínimo, reencarnarem e temporariamente concederem trégua para esse Espírito, assim contemplado com bênção inapreciável!

CÉLULAS-TRONCO

54. O Espiritismo seria contrário à utilização das células-tronco dos blastócitos?

— No Espiritismo, obviamente, não há registro de células-tronco (CT).

Não obstante, o mérito de qualquer ação terá sempre alguma conotação com os ensinos de Jesus, e aí sim, encontraremos no Espiritismo, alicerce seguro para opinar.

É assim que nós, espíritas, somos radicalmente contrários à utilização do embrião, mesmo que na fase de blastócito, com utilização de células-tronco (embrionárias), para fins de clonagem terapêutica.

Sabemos, pela questão n° 344 de "O Livro dos Espíritos" que na concepção inicia-se a ligação da alma ao corpo. Logo, tal procedimento constitui um aborto — crime, segundo leis da Vida e por conseguinte, diante de Deus.

Alguém poderá argumentar que o Espiritismo esclarece que há corpos sem alma (questões n° 136.a e 136.b de "O Livro dos Espíritos") e assim sendo, o descarte de tais embriões, após deles serem extraídas as células-tronco, não constituiria aborto...

Muito bem.

Contra-argumentamos, com uma pergunta: quem, na face da Terra, pode afirmar em qual embrião inexiste a ligação de um Espírito?...

Aliás, Deus, na Sua bondade infinita, no tempo certo (antes que o uso das CT acontecesse) já permitiu à ciência descobrir que todos os indivíduos, mesmo e principalmente os adultos, têm células-tronco em si mesmos, propiciando auto-emprego com rejeição "zero", o que dispensa as alienígenas, vindas de embriões. Ou de doadores outros!

Assim, reiteramos que a descoberta das células-tronco constituem, num primeiro passo, a certeza de que essa é bênção até aqui alcançada pelas pesquisas com a clonagem, abrindo um inimaginável leque de opções na cura de doenças graves, recomposição de órgãos, etc. Bênção incalculável, sublime!

Já a utilização segura das CT, num segundo passo, é justa expectativa, empolgando o Espírito confiante e acenando ao corpo doente, com a maior de todas as forças da fé: a esperança!

* * *

01.JUNHO.2005: Vamos acrescentar alguns comentários correlatos ao tema e que não constam do livro supra referenciado.

- No 5º Congresso Nacional da Associação Médico-Espírita do Brasil foi realizado em São Paulo, em três dias de discussões (26 a 28 de maio/2005) sobre medicina, ciência e espiritualidade no cuidado com o paciente.

Participaram 850 profissionais de saúde de todo país, 45 palestrantes em 41 palestras, que mostraram as mais recentes pesquisas e as terapêuticas, discutiram a ética diante dos avanços da medicina e novos paradigmas do medico espírita.

O evento terminou com a divulgação da "Carta S.Paulo de Princípios de uma Bioética Espírita", documento da entidade que se posiciona contra o uso de embriões congelados para experiência cientifica, contra o aborto (inclusive de anencéfalos), contra a pílula do dia seguinte e contra a eutanásia e a distanásia.

Carta de Princípios de uma Bioética Espírita - Carta S.Paulo

Em relação ao aborto: nosso paradigma é o personalista espírita (contempla a dignidade ontológica, a partir do zigoto, onde inicia a vida) a vida é um bem indispensável, uma doação. O Ser Supremo, que a doa, está presente no micro e no macroscópico. Verdades evidenciadas nas pesquisas científicas, tanto pela origem da vida, quanto da embriogênese e psiquismo fetal, tendo em vista que os cientistas não definiram o que é vida e não conseguiram cria-la em laboratório.

(...)

Em relação às células-tronco: considerando que as pesquisas com células-tronco embrionárias são incipientes, com alto risco de originarem tumores, eticamente discutíveis, passíveis de provocar rejeição e realizadas com esquecimento da possibilidade da existência de vida espiritual, somos contrários à sua utilização. Considerando que as pesquisas mais recentes têm mostrado maior potencialidade das células-tronco adultas e com menor risco de rejeição ou de provocar tumores e já com bons resultados nas leucemias, cardiopatias, AVC, etc, somos favoráveis à sua utilização.

(...)

Associação Médico-Espírita do Brasil.

V Congresso Nacional Médico-Espírita.

São Paulo, 28 de maio de 2005.


endereço: http://www.apologiaespirita.org/

imagem: comunidade.cn



2 comentários:

Meu lar interior disse...

Meu amigo, Uman...
Eu adoro seus posts que fervem os meus neurônios e me fazem refletir e questionar sobre essa doutrina a qual servimos.
Apesar dos argumentos bem fundamentados deste post, eu, particularmente, não acredito em espírito ligado ao embrião congelado. O plano conta com os ovóides para certas "adequações" e acredito no regimento natural das leis universais que compreendem que para a evolução da ciência não precisa seguir a risca parte do minúsculo conhecimento que nos foi decodificado, e vice-versa. Como a verdade é relativa e de absoluto só mesmo o infinito do universo, ou seja, Deus, também não descarto as possibilidades citadas acima... mas como se comprovará? Quando partirmos, com certeza, descobriremos ou relembraremos.
Agradeço por mais este aprendizado.
Boa Semana
Bjs
Ana

Unknown man disse...

Ana,
Que bom que você goste dos posts. Costumo colocar aqui assuntos de interesse, de visão espírita, mas por falta (ou início das pesquisas)de referências pelo estudo, muita vez fica-se na hipótese, como neste caso. Mas, ainda asssim, enbasado pela doutrina moral. Por isso, acho muito bom opiniões, mesmo que diversas, porque gera mais aprendizado. Acho a doutrina espírita maravilhosa pois nos permite sempre o questionamento e nem sempre com aceitação das teses.
Ana, mais uma vez obrigado pela sua opinião e sua visita. Muito feliz fico cada vez vez que leio um comentário seu.

Um beijo

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails